4.3.08

Ainda assim, prefiro-te a ti. Do mal o menos. Estou farta de procurar, e não sei se tenho forças para continuar a fazê-lo. Prefiro-te a ti com as camisas sempre perfeitamente gomadas e os fatos escuros. Gosto quando me deixas escolher a gravata, nunca to disse, pois não? Ainda que me irrite essa tua pose sempre demasiado formal e lógica. Acho que não se pode ter tudo e um dia terá que acabar. Por agora ficamos assim, pode ser? Não precisamos de discutir. Eu sei que a culpa é minha.

Repudia-me o sexo mecânico só porque queres um filho para levar ao futebol. Mas o meu corpo é teu quando o queres, só para que não me deixes. Só para te obrigar a ficar por perto. Os processos e as pastas, e os relatórios, eu sei, sempre mais importante que tudo, não é? Não faz mal. Desde que te saiba em casa. A tua secretária tem vinte e quatro anos e é um perigo. E como só pensas no trabalho e ela está no trabalho. É fácil, não é? Podias dizer-me que não, só para ficar mais descansada. Os processos, eu sei. E as viagens de trabalho, prefiro não saber. Vais e voltas na data marcada. Espero.

Ainda assim, prefiro-te a ti. As tuas mentiras soam menos falsas, e eu também não tenho mais ninguém. Às vezes gostava de ser como tu, um fato escuro, uma camisa perfeitamente engomada, uma gravata à tua escolha e um after-shave caro. Sem precisar de cremes, nem rímel ou batom, sombra ou eyeliner. Já não sei chamar-te a atenção. Cabra da secretária, aposto que usa decotes só para ti. Também nunca te disse que a melhor parte do dia é quando chegas a casa, pois não? Pois não. Tu não deixas.

Eu sei que tens que trabalhar, que é isso que nos sustenta, eu sei que é isso que nos permite ter tudo o que temos. E também deve ser por isso que nunca me levaste aos Fiordes como prometeste quando casámos. Os brincos e os colares que me trazes das tuas viagens não compram amor, mas dão esperança. E às vezes isso chega. A doce ilusão que esse silêncio assustador com que me moldas, e me sugas todas as energias, seja a tua forma de dizer amo-te.

Eu fico, se tu ficares. Por favor, não vás. Já não sei viver sem este sofrimento entranhado nas cortinas. Já não consigo sequer imaginar comer uma refeição que não tenha arrefecido à tua espera. Vale-me a satisfação de escolher sempre a gravata mais feia, só para a cabra não reparar em ti.