5.1.04

Hoje tentei, juro que tentei. Hoje tentei não dormir cansado que estou de o tentar fazer sem conseguir. Para um lado. Para o outro. Fechar os olhos com todas as forças que tenho e ficar acordado. Hoje tentei ficar indiferente a ti. Hoje tentei falar com um amigo que perdi. Hoje tentei e nada consegui. Hoje acabei por dormir. Hoje não consegui ficar indiferente a ti. Hoje não consegui falar com aquele amigo que perdi.

Hoje prometi a mim mesmo que ia esquecer esta paixão estúpida que nasce. Por ti. Hoje tentei ignorar que mexes comigo e que cada vez que ris de algo que eu digo me sinto voar, que cada olhar teu é como se estremecesse por dentro. Hoje percebi que é inútil lutar. Hoje percebi que te quero, que nos teus olhos encontro-me e afasto os problemas. Hoje percebi que fechava os olhos e te via a ti. Sonhava contigo.

Hoje tentei falar a um amigo que perdi. Por minha culpa. Hoje perguntei-lhe se estava tudo bem. Que estava preocupado. Ele disse que sim e mais não disse. Depois ainda lhe desejei um feliz ano novo na trivialidade estúpida de tentar começar uma conversa, mas não pegou. Ele agradeceu e uma vez mais ficou por aí. Morreu ali a conversa. Como também começa a morrer a esperança de ver aquele amigo voltar. Hoje relembrei os momentos bons que passei com ele e relembrei o erro que cometi e nunca desejei tanto como hoje que o tempo pudesse retroceder. Nunca pensei descobrir, hoje, que me faz falta. Que tenho saudades das conversas que tínhamos. Agora falo com quem? A culpa é minha, como sempre.

Hoje tentei não dormir e não consegui. Adormeci deitado no sofá de livro na mão. Acordei com frio e fui-me deitar na cama, vestido. Desejei não acordar. Porque o melhor a fazer neste momento é não acordar. Dormir sem fim. A vida é injusta... Acordei e não consigo dormir...