21.12.09

Cai e cai

«Depois de cada erro, juras que não voltarás a cair noutra, mas errarás sempre que te conseguires recompor do erro anterior.»

-

4.12.09

the more things change, the more they stay the same

Era capaz de jurar que a certa altura dissemos para sempre e que isso foi o princípio do fim. Era capaz de jurar que não foi mais que um piscar de olhos entre a eternidade e o fim. Até um dia, daqui a muito tempo, numa rua de Tóquio ou qualquer outro sítio do mundo. Foi assim. Sem mais. Porque é assim que tudo acaba. Sem mais. Eu sei. Parece que o tempo parou. Que tudo mudou e ficou na mesma. Sem espaço para duvidar da lógica ou da falta dela.

Parei o carro à porta de tua casa, e tu entraste. Como sempre. Bebemos café, bebemos vinho, sentámo-nos à mesa, no sofá. Apagámos o tempo. Como se tivesse parado no momento em que te disse adeus. O vazio que parecia esquecido preencheu-se. Como se o lugar nunca tivesse deixado de ser teu, ainda que os sentimentos sejam outros. A única coisa a que me posso agarrar é saber que ocupas demasiado espaço em mim para te poder ter na minha vida sem ser por inteiro. E não sei o que fazer com isso.

25.11.09

lovestain

You left a lovestain on my heart
And you left a bloodstain on the ground

But blood comes off easily

You left my heartstained.

Jose Gonzalez - Lovestain
(álbum: Veneer)

13.11.09

long story short #11

Bem sei. Não é fácil entender a resposta que tenho para te dar. Não é fácil as pessoas entenderem-se umas às outras seja como for. Pediste-me que te dissesse a melhor coisa que se pode dizer a alguém. E dizer-te que cá dentro tudo estremece quando estás por perto de nada serve. Porque por fora tudo se mantém igual.

paris je t'aime - faubourg saint-denis


É repetido, eu sei. Mas não me canso.

9.11.09

ad #1 - vespa: hated

(click na imagem para ver no tamanho original)

29.10.09

long story short #10

Nos corredores as pessoas cumprimentam-se sempre que se cruzam. Não por simpatia. Mas por automatismo.

6.10.09

long story short #9

Parece um ataque cardíaco. Mas não é. É o coração sem saber o que sentir. O irónico é que também não tem qualquer controlo sobre isso. Fica só ali, a bater ora para a esquerda, ora para a direita. A querer sair do sítio, mas sem nunca realmente sair.

15.6.09

long story short #8

Um dia, vais chegar a casa e ver um corpo caído no chão. Vais largar os sacos que trazes nas mãos e ouvir qualquer coisa a partir-se. Vais correr para o corpo e verificar a respiração, a pulsação. Só quando tiveres a certeza que o corpo não dá quaisquer sinais vais poder respirar de alívio.

long story short #7

Ela chegou e disse: não aguento mais, vou morrer. Ele encostou-se para trás na poltrona, sorriu e respondeu: o problema é que não vais.

11.5.09

long story short #6

Dizer a alguém que se é sozinho, é o mesmo que dizer que se tem super-poderes. Seja como seja, só mesmo os super-heróis é que parecem capazes de serem sós sem que alguém olhe de lado.

5.5.09

long story short #5

Ele precisava de sentir saudades para realmente gostar de alguém, ou precisava de gostar realmente de alguém para sentir saudades. Das duas, uma.

2.5.09

word cloud


1.5.09

long story short #4

Há um monstro que caminha pela casa. Muito mais morto que vivo. Obriga-me a repetir tudo o que digo. Não faz sentido que, de todas as coisas, a que mais me cansa seja dizer a mesma coisa uma e outra vez.

29.4.09

short film #2 - on time

on time by ted chung

Click Here to View The Video Titled: On Time
Clique na imagem para ver o vídeo.

long story short #3

Ela ria-se das suas próprias desgraças, ria-se para afugentar a dor. Ninguém levava a sua dor a sério.

personal remark #6

Eu juro que estou a ganhar coragem para escrever. Não sei se tenho medo de não conseguir, ou se esse medo se resume a não gostar do resultado. Tenho lido. Pouco, muito menos do que devia, mas sempre é melhor que a média de nenhuma página por dia de há algumas semanas atrás. Se calhar não tem razão nenhuma de ser. Se calhar é a vida a começar e a bloquear tudo o resto. Talvez não volte a escrever como dantes, ainda que prefira acreditar que sim, que isto é só um arrufo com esta coisa das palavras. Mas se me perguntassem agora se conseguiria passar o resto da minha vida sem escrever, provavelmente responderia de forma diferente de todas as outras vezes: se calhar consigo.

4.4.09

long story short #2

As recordações de um amor cabem sempre numa caixa. E não sei o que dói mais: se a ausência ou o tamanho da caixa.

long story short #1

Telefonei a um amigo teu. Para me sentir mais próximo, ou para ensaiar a coragem de dizer que já perdoei.

20.3.09

Catarse #1

Acordo todos os dias com a desilusão de ainda ser eu. Não preciso de espelhos que mo digam quando sei que vou encontrar a mesma cara cansada, as olheiras a escorrerem pela cara. É acordar de um coma. Quem sou? Onde estou? Foda-se! Sou eu. No mesmo quarto, na mesma cama, a parede tingida de vermelho que podia muito bem ser sangue se ao menos pudesse arrancar o meu próprio coração com as mãos. Foda-se! Sou eu, ainda eu, sempre eu. E nada faz sentido, é sempre a mesma falta de ar, é mergulhar e não conseguir vir à tona, os pulmões em espasmos exaltados, o coração a rir-se a pensar que é desta. Depois acordo, sossego para a seguir se soltar a debandada nas veias. O coração a rir-se, a saltar do lugar, a ir para a cabeça e a esmagar o cérebro, o coração a fazer o que quer e a não me deixar fazer nada. Órgão ridículo este que nos mantém vivos quando queremos morrer. Sempre a contradizer, a contrariar, a obrigar-nos ao torpor da esperança. Foda-se! Sou eu. Eu. Eu. Ainda eu. Só por um dia, um único dia, gostava de não o ser, descansar de mim em mim. Sobreviver ao cansaço. Porque a esperança espera e nunca desespera.

Acordo todos os dias com a desilusão de ainda ser eu. E não sei explicar o choque de me reconhecer sem que pareça ridículo. Como poderia não ser eu? Pois, eu sei. Mas a esperança é uma cabra e diz-me ao ouvido que um dia vou acordar outro. Podes rir-te, eu também me rio. E a seguir choro, e a seguir grito, e a seguir conformo-me com o destino, digo que hoje vou tentar ser melhor só para me enganar e aguentar até dormir. Se conseguir. Eu não quero não ser eu, quero não acordar. Quero sonhar este sonho: um dia acordo e não sou eu, sou outra pessoa, com outros problemas, com outra vida, gostar de não gostar de nada, não sentir, não pensar, enfim, ser estúpido. É que isto já cansa, porra! As mesmas lágrimas pelas mesmas razões, os mesmos raciocínios ilógicos disfarçados de coerentes e irrefutáveis. Mas lá me vou aguentando. É o que se quer, não é? É o que tem de ser.

13.2.09

short film #1 - A Thousand Words


A Thousand Words from Ted Chung on Vimeo.

Obrigado, #1*

23.1.09

Save Miguel

6.1.09

Entre aqueles dois quadros, consigo imaginar o desenho que me desenhaste e nunca chegaste a oferecer. Mas ainda me lembro dele. Do desenho em si apenas de forma vaga. Um esboço do teu esboço. Lembro-me de mo mostrares ao longe, porque “de perto notam-se as imperfeições”. Disseste: vou fazer outro, melhor. Mal nos conhecíamos, e digo isto como se hoje fosse diferente, como se nos conhecêssemos melhor. É mais fácil assim. Na verdade, ninguém pode conhecer quem seja para além de si mesmo, nem isso. É mais fácil, tudo o que vá mais além é assustador, o que não é difícil. Quase tudo me apavora terrivelmente. O amor é uma dessas coisas, mas não vem a propósito. Poupamos trabalho e dedicamo-nos a outros desafios.

Gostava de poder ter esse desenho na parede. Hoje, resto único daquilo que poderíamos ter sido e nunca fomos e ainda bem. Talvez preenchesse um outro vazio qualquer que não o que tu deixaste. Afinal, funcionamos todos assim: compensamos umas coisas com as outras e chegamos ao fim e não fizemos nada porque sim. Faz parte, não é? Somos um puzzle de peças encaixadas fora de lugar: forçadas, encravadas, e no fim não corresponde ao desenho da caixa, vá-se lá entender porquê.

Um dia foste embora e não nos despedimos sequer, não era preciso. Nunca nos uniu mais do que a sorte que une dois estranhos com lugares aleatoriamente juntos no comboio. Mas hoje, ao olhar para a parede em branco, lembrei-me de ti. E lembrei-me de muito mais do que gostava de ser capaz.